terça-feira, 5 de abril de 2016

Tempus Fugit.

Zé do Magnos; não é todo dia que se comemora cinquentenário – um 

Jubileu – afinal de contas dobrar o cabo da Boa Esperança é ter a aquiescência de 

que ao contar os anos pra trás teremos menos tempo pela frente. Mas duma coisa 

pode ter certeza, agora o maior patrimônio que acumulaste nesses 50 anos de 

vida (a cara limpa) serve para mim como exemplo motivacional de conduta e 

postura. Querido irmão postiço; meio século é um relicário onde passaram-se 

horas e dias, amadurecendo as ilusões da vida entre compensações e desenganos, 

entretanto, mostrou-nos que a idade de ser feliz é todo dia, posto que os mitos de 

calendário é óbvio ululante: o passado é dívida, o futuro é dúvida, e o hoje é 

dádiva, e por isso se chama PRESENTE. 

Pareia; não sei quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, mas como eu 

não uso relógio nenhum, a cronologia inútil das horas me diz que é chegado o 

momento de brindar a idade da razão, não como representação social, posto que 

sendo apenas um número referencial para aniversariar!? jamais nos definiu em 

nada, ou seja: nunca importou pra gente quantas datas primaveris celebramos 

unidos ou afastados; a maturidade veio com as experiências precoces. 

Houve uma época em que idiotamente éramos sujeitos ocultos de bate-

papos nas botecoterapias, onde a vida acontecia por decreto biológico e 

espiritual, e muitas vezes a ressaca moral superava a ressaca etílica, contudo, 

sempre tomamos um porre de felicidade em pleno exercício de democracia. 

Presentemente eu continuo um anônimo na multidão (graças a Deus), e 

assim sendo, a minha vida particular me faz não público, no entando, você como 

persona representativa tem um preço a pagar como Zoon politikón, então deixe 

que me embriago por ti nesta alegria, já que nunca realizamos bebedeiras 

egoísta-narcisísticas para ignorar os outros, e não será dessa vez, até porque a sua 

hiperuricemia basta como álibi.

Cumpadi Véi; mais do que um dia especial… é motivo para festejar, e por 

isso entornarei mais tarde um gole de esperança daquela garrafa com sabores 

Sanromanos, pois sonho que se sonha sozinho é somente um sonho, mas, sonho 

que sonha-se junto, é realidade. Felicitudes no seu aniversário e sinta-se dentro 

de um forte abraço fraternal, pois posso estar distante de tu, ausente de você: 

jamais.

Eudes Mariano de França.

Um comentário:

Lea Maria Tomaz - Recife/PE disse...

Da Família; isso vale um grande “Viva”!!! Então... que o universo siga conspirando a seu favor. Estimado concunhado, lembre-se que a festa do existir é sempre todos os dias, e sendo assim, segue um carinhoso abraçaço de PARABÉNS repleto de saudações Sanromanas. Beijos em Alires, Jorginho e em nossa Sogra.