quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Ponto de vista

Nem de ancas ou coxas...


Zé do Magnos; desculpe-me pelo egoísmo mas, se é verdade que se nasce 

dos prazeres gozosos de uma fêmea, há uma pessoa na Terra da Pedra do Sapo – 

mulher por excelência – que ainda teima em apostar que sou parte do melhor do 

que há nela. 

Todavia... hoje, tanto quanto ontem ou amanhã, o tempo tenta seqüestrar 

seu sorriso, mas, mesmo assim continuo tecendo sonhos irreais de ateu comovido 

em felicitudes clandestinas somente à te afirmar: daria o meu orgulho de homem 

e minha estéril ciência sem receio de nada, só para voltar a ser uma débil 

criancinha no colo ou seios da mesma e não sentir este lamento umbilical. 

A própria foi, é e sempre será para mim a reveladora do mundo... eu a 

chamo de Srª Dona e presentemente a distinta comemora seu réveillon 

particular e inicia outra primavera. Bom; estou a três anos de cinco décadas 

consciente de ter vivido muito mais além da metade devida, ou seja: quem me 

dera chegar a rasgar tanta folhinha de calendário. 

Contudo, o que importa de fato é dar Parabéns a primogênita feminina de 

Vó DuCarmo e Vô Salustiano, ao anjo que me envaidece pela matertinade e 

jamais parou de me evocar como sendo “Jacozinho”. 

Então; feliz aniversário Alaide Mariano de Souza, Tito e França... minha 

querida mãe.

Eudes Mariano de França.

Um comentário:

Aracelly Viana (Itajá/RN) disse...

Jornalista Magnos Paulo; toda vez que você formata os artigos editados pelo Jacozinho de Dona Alaide para o padrão do blog (Fonte Calibri, Tamanho 13,5, em Negrito, Alinhado à Esquerda, Quebradura de Parágrafos e Espaçamento de Linha 1,15) descaracteriza o texto, ficando a redação com uma estética feia e incompreensível. Neste caso, nota-se a finalidade do mesmo homenagear sua genitora pela data natalícia, mas só depois de muito esforço interpretativo. No mais, são salutares quaisquer escritos publicitado advindo do seu colaborador espontâneo, pois o sujeito é gente fina e bom camarada. Seria maravilhoso poder voltar a desfrutar da leitura da Coluna Ponto de Vista tal quais outras temporadas, como as crônicas sabadeiras e os ensaios dominicais, especialmente porque neste momento de pré-campanha eleitoral em seu torrão natal as opiniões elegantes e diplomáticas do Sociólogo Eudes M. França fariam muita diferença referente ao quesito exercício de cidadania.