quarta-feira, 10 de junho de 2015

Rodízio.

Na falência do sistema carcerário potiguar, vem acontecendo um famigerado rodízio de presos nos superlotados presídios, diante das constantes fugas, depois das rebeliões que destruiu todo sistema prisional do Estado. No entanto, diante das facilidades dos prisioneiros soltos dentro das próprias penitenciarias, os mesmos fogem no período noturno, sendo recapturados dias depois, promovendo um verdadeiro rodízio de presos apenados.

Um comentário:

Eudes Mariano O Jacozinho de Dona Alaide disse...

Zé do Magnos; na época que a Penitenciária Central Doutor João Chaves – obra iniciada em 1953 e não concluida por Silvio Pizza (Sim, o do Palácio Fernandopedrozense)... retomada dez anos depois pelo mais ilustre filho da Terra de J. da Penha (Aluizio Alves) e só encerrada em 1968 no governo do Monsenhor Walfredo Gurgel – era o “Caldeirão do Diabo” talvez acontecesse memórias do cárcere, todavia hoje, o Complexo Cultural de Todos é um Alcatraz diante do castelo de areia Alcaçuz.