segunda-feira, 4 de maio de 2015

Sem medo. O prefeito Daniel Pereira do município de Fernando Pedroza, em tom irônico ontem no seu programa “Prestando Contas”, apresentado quinzenalmente na FM Cidade 104.9, disparou “vereadores abram uma (CPI), (CPA), (CPE), para investigar esse prefeito, que não tenho nada a temer”. 

Bate Bola. No mesmo programa prefeito disse que o programa esportivo apresentando de segunda à sexta na citada Rádio Comunitária, denominado de Bate Bola, virou o programa “Bate na Gestão do Prefeito Daniel Pereira”

2 comentários:

Eudes Mariano O Jacozinho de Dona Alaide disse...

Zé do Magnos; no tocante ao tópico inicial da nota (Sem Medo) eis meu comentário. O Velho Bóbaro certa vez me sussurrou ao pé-do-ouvido: - “Ei, Jacozinho de Dona Alaide: tenha receio de quem diz elocução fascitóide, pois digressão entre males e remédios varia em dosagem, senão transforma-se em veneno”.

Ora; para alguns gramáticos, a diferença entre “Quen deve não teme” e “Quem teve teme” é uma vírgula entre os verbos, já que trata-se de um período composto, ou seja... duas orações, onde o sujeito da segunda às vezes é a primeira, todavia, se num ambiente por suspeição for “não sujeito” por condição imanente e negativa, jamais por clientelismo ou neo-coronelismo. Há uma diferença abismal entre as duas perspectivas.

Ademais; com este tipo de protagonismo a inversão do ônus da prova vira álibi para déspotas esclarecidos, e eu pelo menos prefiro a sociedade Sanromana do “só teme quem deve”, pois sei que CPI não é instrumento de vingança retroativa, e sim aparelho que já salvou muitos Daniel na cova dos leões, quando de fato inocentes na autonomia político-administrativa de grotões, redutos ou currais.

E assim sendo; espero não ficar apoplético no final, acaso o evento revelar-se apenas circo, pantonima e engodo de uma vitrine eleitoreira sem blindagem, pois se o for, sobrará cacos de vidro pra tudo que é lado, literalmente falando.

Quanto ao ponto seguinte (Bate-bola), seria bom colocar no ar a trilha musical da embolada “Futebol no Inferno” de Cajú e Castanha, durante a apresentação do escrete.

Anônimo disse...

E o programa dele na rádio virou o que? O mesmo CD toda hora, só Pablo perde pra tanta sofrência, Ele deveria deixar de ser Paquiderme e mostrar a quantas veio o seu mandato tremendo fanfarrão por isso tem a rejeição que tem.

Orecic Eduardo